STARTUPS

COMO CRIAR UMA STARTUP

As pequenas empresas de tecnologia são denominadas de STARTUPS e são chamadas, também, de emergentes. Estes termos foram cunhados na época da “bolha” das empresas ponto.com e são entidades recém-criadas numa sistemática diferente das firmas tradicionais. Esse tipo de pequena empresa de base tecnológica está sendo vital para mudança de paradigma, introduzindo pesquisa de mercado acessível aos pequenos negócios, criando redes de relacionamentos e de troca de experiências, enfim, criando maneiras testadas cientificamente, para alavancagem de negócios em tempos recordes.

O espirito empreendedor, alguns autores relatam que já nascemos com essa habilidade ou habilidades, pois, constata-se a junção de várias habilidades inatas que devem ser desenvolvidas ao longo da nossa vida. A fé, o otimismo, a vontade de ser prospero, a atitude para desenvolver ideias suas e de outrem, a curiosidade para pesquisar sobre diversos assuntos relacionados à criação de empreendimentos empresariais faz dos jovens pessoas empreendedoras e focadas no sucesso empresarial.

Outra constatação dessas empresas emergentes ou STARTUPS é a busca por um modelo de negócio adequado à ideia ou sonho de realização e de mudança da realidade à sua volta. Alguns jovens empreendedores sonham em mudar o mundo e isto é muito bom, porque traz para sua realidade local conceitos, princípios e responsabilidades outrora inatingíveis, deixando essas decisões de crescimento como empresário, como cidadão e como ser humano nas mãos de uma minoria, que se auto elegia no decorrer dos tempos aqui no Brasil.

Nos últimos anos os cursos universitários de Tecnologia da Informação e Comunicação vem experimentando um crescimento vertiginoso. Tanto nas instituições públicas como nas faculdades privadas. Esse crescimento é fruto da necessidade de se inserir as TICs em todas as profissões e atividades empresariais ou domésticas. Esse avanço tecnológico como estratégia nacional brasileira é, ao nosso ver, o que está faltando para um salto de qualidade do Brasil como nação próspera. Precisamos mudar nosso modal de país exportador de commodities para exportador de tecnologia de ponta, exportador de softwares, aviões, química fina, enfim todas as áreas do conhecimento humano precisa da nossa atenção para darmos o tão sonhado salto de qualidade. Neste sentido, as STARTUPS brasileiras tem muito a contribuir.

E ai, como se abre uma STARTUP? Esta vai ser nosso foco, depois de asseverar nossa opinião por esse novo jeito de fazer negócio no Brasil.

Se você é jovem e estudante de algum curso universitário, técnico ou tecnológico, você está com todas as possibilidades de se desenvolver, de fazer amizades com pessoas de pensamentos semelhantes, de sonhar e tentar realizar seus sonhos com muito estudo e trabalho. Outra coisa, não esqueça de agradecer a Deus, pois se você está numa faculdade ou universidade, seja pública ou privada você é um privilegiado como eu. Praticamente todos os cursos de tecnologia possuem disciplinas de Empreendedorismo, além de termos atualmente muitas entidades privadas, estatais e organizações não governamentais produzindo conteúdos e cursos gratuitos para todos os gostos. Pra quem esteja dentro de uma entidade de ensino como aluno, terá a ajuda de professores e se a entidade possuir Incubadoras de Base Tecnológica, melhor ainda. Outra saída para este público universitário é EMPRESA JUNIOR de TECNOLOGIA, entidade de estudantes que se prepara para o mercado de trabalho.

Caso você não esteja nessa fase de estudante, procure um BOM CONTADOR, registrado no Conselho Regional de Contabilidade de cada Estado e que tenha interesse em estudar as particularidades das empresas tecnológicas. Como constituir a nova empresa ou STARTUP?

  1. Tenha a ideia do negócio;
  2. Transforme esta ideia em oportunidade de negócio;
  3. Veja se o negócio é tendência;
  4. Se for produtos e possa ter PROTÓTIPO – Faça esse teste orientado;
  5. Faça o Canvas de PROPOSTA DE VALOR;
  6. Preencha o QUADRO MODELO DE NEGÓCIOS;
  7. Faça o PLANO DE NEGÓCIO – software Plano de Negócios 3.0 – SEBRAE – MINAS GERAIS;
  8. Escolha os sócios;
  9. Defina os percentuais de cada sócio e as atribuições ou funções na STARTUP;
  10. Solicite os seguintes documentos dos sócios: 3 Xerox’s autenticadas da identidade, ou carteira de habilitação; CPF, caso não tenha na identidade, comprovante de residência (comprovante de água, luz ou telefone);
  11. Escolha o CNAE – Classificação Nacional de Atividade Econômica (vide sites da Receita Federal ou IBGE);
  12. Escolha o REGIME DE TRIBUTAÇÃO: geralmente estão escolhendo LUCRO PRESUMIDO ou OPTANTE DO SIMPLES NACIONAL. No Simples Nacional, a maioria das empresas de tecnologia vai ser enquadrada no ANEXO V, que tem percentuais altos em relação aos outros anexos (ANEXO I – Industria, ANEXO 2 – Comércio e ANEXOS III, IV, V e VI – Serviços). Vale a pena pedir ao Contador ou profissional de contabilidade para fazer uma simulação, a fim de se escolher um regime de tributação adequado financeiramente para a empresa. É necessário estar atento para o fato de ao se escolher um regime de tributação, só se pode mudar para outro em janeiro do ano seguinte;
  13. Veja a possibilidade de adquirir investidores, quando isso for necessário, o Plano de negócio é uma base muito boa para se mostrar aos investidores. Existe Aceleradora de STARTUPS que são entidades compostas por investidores, para investir nessas empresas emergentes, com participação tanto com recursos financeiros, bem como na gestão macro ou através de aconselhamentos;
  14. Uma boa dica é colocar o projeto para concorrer a tantas oportunidades de Entidades fomentadoras de STARTUPS, que puder, a fim de testar, receber feedbacks e conseguir networks nacionais e até internacionais sobre sua invenção ou modelo de negócio.
  15. Trabalhe, Estude, Trabalhe, Estude.

Contador Prof. Dr. João F. de Lavor

joaodilavor@gmail.com